Grupo de teatro tradicional lança versão digital de espetáculo sobre histórias e lendas Amazônicas neste sábado (24)

Sem poder subir ao palco devido à pandemia da covid-19, atores, produtores, diretores e equipe técnica do Grupo Artístico Cultural Olho D’água estão se reinventando para garantir a renda dos artistas e manter na ativa o trabalho cultural desenvolvido na região desde 2001.

Com as regras de distanciamento, que proíbem a realização de eventos, o grupo escreve agora uma nova fase de sua trajetória na internet e vai lançar a versão digital do espetáculo http://url.gratis/F6Yh1 *Contos, Cantos e Encantos Tapajônicos* neste sábado (24) no youtube, às 20h.

A peça, que recebeu em 2009 o prêmio Myriam Muniz de Teatro da Fundação Nacional de Artes, é resultado de um trabalho de pesquisa realizado por Elizangila Dezincourt com histórias do imaginário amazônico coletadas nos municípios de Alenquer, Santarém, Juruti, Oriximiná e Óbidos. A trilha sonora é executada por Enzo Gabriel Aguiar e direção de Elder Aguiar.

O Projeto foi contemplado pela Lei Federal nº 14.017/2020. A Lei Aldir Blanc foi criada para apoiar trabalhadores e trabalhadoras da cultura e à manutenção de territórios/espaços culturais com atividades interrompidas devido à pandemia do novo coronavírus.

Acessibilidade

O lançamento está marcado para 24 de abril no youtube do grupo. Além da versão original, o espetáculo será lançado em uma versão com legenda e outra com tradução para a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), para garantir a acessibilidade de todos os públicos.  Quem faz a tradução para Libras é o professor Alexandre Lucena.

Sobre o Grupo

Com 20 anos de (r)existência, o grupo tem quatro espetáculos de acervo, duas oficinas de iniciação teatral e um curso livre de elaboração de projetos culturais nas linguagens de Teatro, Música e Dança (Lei SEMEAR e Rouanet), prestando assessoria na elaboração de Políticas Públicas para instituições culturais diversas e mentoria em diversas outras iniciativas dentro do metiê cultural.

Ao longo de sua trajetória, o grupo já foi contemplado com diversos prêmios nacionais, tais como Myriam Muniz de Teatro da FUNARTE (por três vezes), Bolsa de Pesquisa e Experimentação do IAP – Instituto de Artes do Pará, além de ser agraciado com diversos patrocínios incentivados para seus projetos culturais.

Fotos: Júnior Aguiar

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.