Doença de Haff: Vigilância Sanitária promove orientações em vários pontos de Santarém

Depois da morte de um homem em Santarém que apresentava sintomas suspeitos de síndrome de Haff, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) vem adotando medidas de prevenção à doença, conhecida popularmente como doença da ‘urina preta’. Na sexta-feira (17), integrantes do Núcleo Técnico de Vigilância em Saúde estiveram na Ilha do Amor em Alter do Chão para prestar esclarecimentos e orientar donos de barracas sobre as medidas adotadas na comercialização do pescado e sobre o Decreto Municipal Nº 995/2021.

Doença de Haff: Vigilância Sanitária promove orientações para donos de barracas em Alter do Chão

Como medida de prevenção, a prefeitura editou o Decreto n° 995/2021 que trata sobre a proibição do trânsito de peixes oriundos do estado do Amazonas, das seguintes espécies: Tambaqui, Pirapitinga e Pacu. O Estado vizinho tem registrado casos da doença e o objetivo do poder público é barrar a entrada de pescado contaminado, evitando um surto em Santarém.

Além do trabalho pedagógico de orientações e esclarecimentos, a Vigilância Sanitária vem fiscalizando diversos pontos de comercialização de pescado na cidade: Mercadão 2000, Feira do Pescado, Porto dos Milagres e Feira de Santana. As ações contam com o apoio da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), da Polícia Militar estadual e outras instituições de fiscalização.

Até o momento, Santarém registrou 4 casos suspeitos com 1 óbito. Os demais pacientes que apresentaram sintomas já obtiveram alta. Em todos os casos, foram coletados materiais para realização dos exames que podem comprovar o diagnóstico. Enquanto aguarda os resultados, a Vigilância Epidemiológica segue o trabalho de investigação, para descobrir a origem do pescado e os locais onde foram consumidos.

Foto: Ascom/Prefeitura de Santarém

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.